mudança climática pode expor 2 bilhões à dengue até 2080

Genebra – Em relatório divulgado nesta segunda-feira por ocasião do Dia Internacional da Saúde, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou que a mudança climática pode aumentar para dois bilhões o número de pessoas expostas à dengue até o ano de 2080.

Segundo a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, a pandemia de dengue que atinge a América do Sul não se deve única e exclusivamente à mudança climática, mas o aumento das temperaturas ajudou muito a expansão da doença.

“Os efeitos da mudança climática já podem ser percebidos. É necessária uma ação urgente para minimizar seus efeitos, não é especulação, mas uma realidade”, declarou hoje em entrevista coletiva Margaret Chan.

A diretora-geral afirmou que a mudança climática é “uma ameaça direta à saúde”, uma vez que as conseqüências do aquecimento global “podem afetar alguns dos elementos mais importantes para a saúde, como o ar, a água, os alimentos, um teto para se abrigar e a ausência de enfermidades”. Para Chan o ser humano já está exposto a doenças que sofrem significativa influência do clima e que causam milhões de mortes por ano.

Como exemplo citou a desnutrição – responsável por mais de 3,5 milhões de mortes por ano -, as doenças relacionadas à diarréia – que matam mais de 1,8 milhão – e a malária – causadora de mais de um milhão de mortes por ano. “Com a mudança climática esta situação vai piorar”, declarou a diretora-geral. Segundo ela, os efeitos nocivos da mudança climática já podem ser comprovados em recentes catástrofes, como a onda de calor na Europa em 2003 que matou 70 mil pessoas, o furacão Katrina – nos EUA -, a epidemia de malária na África Oriental agravada pelo aumento da temperatura e a pandemia de cólera em Bangladesh após as grandes inundações.

“Há muito a fazer hoje para evitar que estas situações se repitam”, declarou Chan. As doenças causadas pelos mosquitos e outros agentes transmissores causam anualmente mais de um milhão de mortes e as doenças ligadas à diarréia mais 1,8 milhão. Segundo o relatório, atualmente a poluição do ar causa 800 mil mortes por ano.

As estimativas citadas pela OMS dizem que, caso a temperatura global aumente 1 grau centígrado, poderia haver 20 mil mortes anuais a mais por causa de doenças cardiorrespiratórias. Por isto os membros da agência da ONU consideram que esta é a hora de se estudar profundamente as conseqüências que
o aquecimento global pode ter para poder atuar imediatamente.

“Precisamos conhecer a magnitude do problema para melhor entender o tema, identificar os buracos negros e desenvolver programas para tapá-los”, afirmou o diretor-geral adjunto da entidade, David Heymann. A OMS e seus associados – o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, a Organização Meteorológica Mundial – estão desenvolvendo um plano de trabalho e uma agenda para elaborar estimativas melhores sobre o tamanho e a vulnerabilidade da saúde humana.

Quando estiver com todas as informações, serão elaboradas estratégias e instrumentos para ajudar os Governos a implementar programas de planejamento e contingência.

As informações são da EFE

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Papeando, Por um mundo melhor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s