Televisão:”ajuda ao pobre” faz TVs subirem no ibope

O assistencialismo promovido por programas de TV dispara no ibope em várias emissoras, abertas ou pagas. A fórmula é a mesma: uma tremenda história tristonha; personagens pobres de marré; trilha sonora piegas e muito close nas lágrimas dos “assistenciados”, assim que abrem a porta da casa nova, quando vêem a reforma do puxadinho, ao receber as chaves do carreco novo.

Um dos programas que está registrando a maior alta de ibope devido ao quadro é o “Domingo Legal”, de Gugu Liberato. O quadro é intermediário do “formato-assistência”: as pessoas mandam cartas à produção do SBT, dizem o que gostariam de reformar em sua casa e os eleitos são atendidos. No caso no SBT, somente um cômodo ou local é incrementado.

O quadro é responsável por quase todos os picos de ibope do “Domingo Legal”. A média do programa fica em 15 ou 16. Quando o quadro assistencial entra no ar, esse índice sobe até 10 pontos.

Na Globo, o quadro Lar Doce Lar (do “Caldeirão do Huck”) dá casa nova e adaptada para famílias que contam com portadores de deficiência, doença, viuvez e outros revezes da vida. A escolha também é por carta.

O programa registra médias normais entre 17 e 19 pontos aos sábados. Quando o quadro entra, o “Caldeirão” sobe em minutos para 25.

Huck se inspira claramente no programa da TV fechada “Extreme Makeover”, hoje também responsável pelas maiores audiências do People Arts

Vale lembrar que nada disso é novidade. Nos anos 70 já grassava na TV brasileira quadros “assistencialistas”. O mais famoso era o “Boa Noite, Cinderela”, de Silvio Santos, no qual uma menina pobre, geralmente da periferia de São Paulo, era visitada e levada ao trono pelo então príncipe Mateus Carrieri (hoje uma estrela do pornô nacional).

Também nos anos 90 a TV foi marcada pelo famoso “Caminhão do Faustão”, em que um felizardo sorteado por carta via chegar em casa um carregamento de utensílios domésticos e de lazer.

No final dos anos 90 e primeiros anos deste milênio, apresentadores como Ratinho, Márcia Goldshimidt e João Kleber se somaram ao “movimento”, e acabaram por rebaixar ainda mais o assistencialismo, ao nível de “baixaria na TV”. Em vez de resolver problemas das pessoas, por que não exibi-los à sanha de telespectadores, pancadas ao vivo?

Fonte: Ricardo Feltrin – UOL

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Papeando, Rádio e Televisão, Vale tudo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s